FASTNET

The greatest WordPress.com site in all the land!

Equipe testará braço biônico que fornece sensação de tato aos amputados

Braço Amputado

Os italianos garantem que o aparelho dará uma sensação de toque muito próxima da natural

Ainda este ano, será transplantada a primeira mão biônica capaz de devolver parte da sensação de tato a pessoas amputadas. O anúncio foi feito pelo pesquisador Silvestro Micera, da Escola Politécnica Federal de Lausanne, na Suíça. O experimento terá duração de um mês e, se tudo correr como planejado, um implante permanente será feito em 2015. A operação pioneira deve tornar realidade uma nova geração de próteses que, além de permitir movimentos muito semelhantes aos membros do corpo humano, fornecem ao paciente a percepção do toque. Segundo Micera, entre 30% e 50% dos amputados não usam as próteses regularmente devido à baixa funcionalidade, ao controle deficiente e à má aparência.

A iniciativa dá continuidade a um projeto que vem sendo realizado há alguns anos. Em 2009, um primeiro modelo do equipamento foi testado pelo brasileiro de pais italianos Pierpaolo Petruzziello, então com 26 anos (leia Depoimento). Ele havia perdido o antebraço esquerdo em um acidente três anos antes. O dispositivo se conecta por eletrodos aos nervos do braço do paciente, que consegue controlar a mão biônica com impulsos vindos do cérebro. O grande diferencial da prótese desenvolvida por Micera é a transmissão bidirecional de estímulos por meio dos nervos ulnar e mediano localizados no braço. Assim como o cérebro envia sinais aos nervos que conseguem estimular o movimento da mão robótica, estímulos exteriores recebidos no equipamento também são transmitidos ao cérebro pelas terminações nervosas presentes na parte superior do braço.

PALAVRA DE ESPECIALISTA

“As próteses mioelétricas têm o potencial de fornecer um enorme benefício funcional aos amputados de membro superior. Um dos grandes desafios é como identificar os comandos, as intenções de movimento do usuário. Isso pode ser feito a partir de eletrodos implantados que medem a atividade neural na estrutura remanescente. Outro grande desafio para alcançar esse objetivo é o retorno sensitivo ao usuário, como a sensação de pressão, temperatura etc. Em membros intactos, essa informação é proveniente de receptores próximos à pele, e daí transmitida pelos nervos ao sistema nervoso central. Entretanto, estimular os nervos sensitivos para produzir sensação coerente com a obtida por meio de sensores artificiais é de fato muito complicado. Mas os trabalhos desenvolvidos pelo proessor Micera e colaboradores tem contribuído bastante nessa direção.”

 

 

Navegação de Post Único

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: